Dicas facilitam adaptação ao horário de verão


 
O horário de verão começa na madrugada do dia 15 de outubro e os ponteiros dos relógios devem ser adiantados em uma hora. A mudança é adotada por 11 estados e vai até 18 de fevereiro de 2018. O objetivo do período é a redução do consumo de energia elétrica, mas a mudança pode alterar o funcionamento do organismo e alguns brasileiros encontram dificuldades para se adaptar. O neurologista do Instituto de Medicina do Sono de Campinas e Piracicaba, Shigueo Yonekura, dá algumas dicas para ajudar na adaptação.
 
A mudança na hora de ir para a cama e levantar pode causar vários problemas e certo desconforto, como irritabilidade, falta de concentração e dor de cabeça. As reações são individuais, decorrentes das alterações do relógio biológico e hormonais, mas podem ser amenizadas com alguns hábitos, incluindo alimentação leve no jantar. Outra recomendação é evitar bebidas e alimentos estimulantes antes de dormir. “O ideal é evitar café, chá preto, refrigerante, chocolate e demais produtos que contenham cafeína”, comenta.
 
A maioria das pessoas demora entre três e sete dias para entrar no novo ritmo e, nesse período, é preciso tomar alguns cuidados para evitar, por exemplo, acidentes automobilísticos ou de trabalho. "O cérebro segue o ritmo do relógio biológico, que está organizado em um ciclo de 24 horas. A mudança desse padrão desregula o sono e o repouso que ele proporciona", explica Yonekura.
 
O médico orienta que as pessoas tentem preparar o organismo com um pouco de antecedência. “Deitar 15 minutos antes na quarta-feira, 30 minutos na quinta, até que isso chegue a uma hora na noite do sábado, é o ideal”, destaca.
 
Para acordar com mais facilidade uma dica é deixar uma fresta de cortina aberta para deixar o sol iluminar o quarto no período da manhã. Yonekura explica que o hormônio melatonina, que promove a sonolência, começa a ser liberado quando escurece. A luminosidade inibe a liberação do hormônio favorecendo o despertar.
Outra recomendação é manter horário regular de deitar e acordar.


Outras práticas consideradas boas pelo médico incluem beber leite morno, evitar televisão e computador pouco antes de dormir, atividades relaxantes e repousantes à noite e não levar problemas e preocupações para a cama.