Dormir mal aumenta risco de diabetes

Dormir bem garante mais energia e disposição, contribuiu para diminuir o estresse, melhora o bem-estar e o humor, além de proporcionar outros benefícios importantes à saúde física e mental. Mas o que muita gente não sabe é que a qualidade do sono  pode ajudar no controle da diabetes. Estudos indicam que noites mal dormidas aumentam o risco de desenvolver a doença.
 
De acordo com Shigueo Yonekura, neurologista do Instituto de Medicina do Sono de Campinas e Piracicaba, o sono de má qualidade, com vários despertares durante à noite, pode provocar desequilíbrio em uma série de hormônios e a médio e longo prazo pode influenciar de forma negativa na saúde favorecendo o surgimento de doenças como pressão alta e diabetes. “O sono tem influência direta na liberação de hormônios que regulam os níveis de glicemia no corpo como a insulina, por exemplo”, reforça.
 
O sono inadequado também interfere na liberação de hormônios que controlam o apetite e o gasto energético. A leptina ajuda a controlar a sensação de saciedade e a melatonina, responsável por regular o nosso relógio biológico, também vem sendo reconhecida por exercer ação fundamental no controle da fome, consumo de energia e acumulo de gorduras.
 
Yonekura, que é especialista em sono pelo Hospital das Clínicas da USP, destaca a importância de dormir bem e ter hábitos saudáveis para prevenir e controlar a doença, já que o número de diabéticos tem aumentado no país. O Brasil ocupa hoje o quarto lugar no ranking dos países com mais diabéticos no mundo.
 
O diabetes, quando não controlado, pode trazer consequências para a visão, rins, coração, membros inferiores, nervos, desidratação e complicações respiratórias. O problema já figura como a terceira principal causa de morte entre os brasileiros.